Honram-me lendo meus escritos...

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Mediunidade

Quando mais novo
eu tinha visões.
Espíritos bons e ruíns.
Demônios anões
e belos serafins
no meio do povo!

Pouco a pouco
não houve remédio
foram-se de minha vista!
Não eras médium,
disse o psicanalista,
e sim, um louco!

Sinto saudades
do que via em outrora:
fantasmas em casa.
Nos homens de agora
há bondade escassa
e maiores maldades

Pensemos direito,
câncer, ódio, impostos,
nascer com pecado!
Melhor com os mortos!
Serei eu, todo errado
e o mundo, perfeito?

Cristiano Marcell

19 comentários:

  1. Você viu o além
    Para anjos e serafins
    Digamos amém!

    ResponderExcluir
  2. Não eras médium
    Mas com tuas claras visões
    Livrou-se do tédium.

    ResponderExcluir
  3. O que seria do perfeito perdão sem o pecado, parabéns poeta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grata reflexão, caro Julio!Agradeço pelo valoroso comentário!
      Muita paz!

      Excluir
  4. Gostei dos versos Cris. Esse assunto me intriga... seriam todos os médiuns loucos, esquizofrênicos? Dadas as minhas (des)crenças eu diria que sim, mas já presenciei umas coisas no mínimo... estranhas!

    ResponderExcluir
  5. Meu caro Marcell
    Se antigamente tinha visões e via fantasmas esquisitos, hoje esses fantasmas são bem diferentes, para pior e não são visões, são mesmo realidade, meu amigo: impostos, desemprego, corte nos salários e nas regalias sociais e cada vez mais em cheque o bem-estar das pessoas e o acesso à felicidade.
    Estes fantasmas são verdadeiros e podemos observá-los em pleno dia, de olhos bem abertos.
    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  6. Por essa e outras é que devemos temer é os "vivos"... (muito bom)

    Por alguma razão o seu texto me lembrou outro texto, que aqui compartilho:



    O Cético e o Lúcido

    No ventre de uma mulher grávida estavam dois bebês.
    O primeiro pergunta ao outro:
    - Você acredita na vida após o nascimento?
    - Certamente. Algo tem de haver após o nascimento. Talvez estejamos aqui
    principalmente porque nós precisamos nos preparar para o que seremos mais
    tarde.
    - Bobagem, não há vida após o nascimento. Como verdadeiramente seria essa
    vida?
    - Eu não sei exatamente, mas certamente haverá mais luz do que aqui. Talvez
    caminhemos com nossos próprios pés e comeremos com a boca.
    - Isso é um absurdo! Caminhar é impossível. E comer com a boca? É totalmente
    ridículo! O cordão umbilical nos alimenta. Eu digo somente uma coisa: A vida
    após o nascimento está excluída - o cordão umbilical é muito curto.
    - Na verdade, certamente há algo. Talvez seja apenas um pouco diferente do
    que estamos habituados a ter aqui.
    - Mas ninguém nunca voltou de lá, depois do nascimento. O parto apenas
    encerra a vida. E afinal de contas, a vida é nada mais do que a angústia
    prolongada na escuridão.
    - Bem, eu não sei exatamente como será depois do nascimento, mas com certeza
    veremos a mamãe e ela cuidará de nós.
    - Mamãe? Você acredita na mamãe? E onde ela supostamente está?
    - Onde? Em tudo à nossa volta! Nela e através dela nós vivemos. Sem ela tudo
    isso não existiria.
    - Eu não acredito! Eu nunca vi nenhuma mamãe, por isso é claro que não
    existe nenhuma.
    - Bem, mas às vezes quando estamos em silêncio, você pode ouvi-la cantando,
    ou sente, como ela afaga nosso mundo. Saiba, eu penso que só então a vida
    real nos espera e agora apenas estamos nos preparando para ela...
    (Desconheço o autor)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Belo meu caro! Há muito o que refletir no texto por ti exposto!

      Excluir
  7. Olá amigo, vim em visita e, mais uma vez, lhe parabenizo pelo blog. Tenhas um magnífico final de semana. Aproveito para lhe dizer que no meu blog, além de divulgar minhas obras, estou divulgando também obras de outros autores; dê uma "olhada", se lhe interessar,entre em contato!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Muito bom o teu poema. Fico encantado quando vejo gente mais jovem e bem mais jovem, curtindo bossa nova. É tudo de bom!
    Um abração.

    ResponderExcluir
  9. Grande poesia colega!!!
    Tua inspiração deve ser uma mistura de Baudelaire com Poe...
    Boas inspirações vem de boas leituras...
    Até!

    ResponderExcluir
  10. Acredito na mediunidade e os mediuns não são loucos, não.
    Já vi casos na minha família, não temo; gostei demais de poetizares assim, ficou gostoso de ler. Esse cara o Júlio Machado arrasou, gostei de ler o que escreveu, ótima crônica, bem oportuna.Te ler é um prazer, viu.
    Fica em paz, com Deus e os bons espíritos; hoje é um dia abençoado, lembremos de todos os trabalhadores* *... que tenham fé e força para continuar na luta pelo pão de cada dia. Ficarei feliz se me visitar, se puder. Beijos, bom feriado!

    ResponderExcluir
  11. A nossa luta é igual a do passarinho tentando romper a casca do ovo. O nosso tempo é tão precioso e nossa vida, tão fugaz... O nosso dia a dia é como uma grande corrida que precisamos estar firmes e fortes até a linha de chegada. Nesse momento, tudo é decidido pela grande mãe, pela essência da própria vida sem palmas nem ovação. É preciso fé, amor, compreensão, para fortalecermos a “essência da nossa vida”! E acima de tudo, gratidão a essa grande mãe!
    Um grande abraço! http://niceveloso.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. melhor a vida perecendo no esquife de memórias que se reencarnam?

    gostei demais daqui, blog com rara qualidade...

    ResponderExcluir