Honram-me lendo meus escritos...

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Fim de caso

Niguém lia
no rosto da moça
a melancolia

Dia após dia,
quebrava a louça
já não dormia

Mais se entopia
de rancor tão rude.
E logo se via

que ela morria
por um amor amiúde
que não correspondia 

Cristiano Marcell

20 comentários:

  1. Limerique

    Definhava visivelmente
    Sua doença era aparente
    Portava algum mal
    Não estava normal
    De amor estava doente.

    ResponderExcluir
  2. Pobre moça, amor não correspondido é dor que não tem cura...(gostei demais)

    Abçs caro amigo poeta

    ResponderExcluir
  3. fim de caso, não da voz. até porque há morreres que não se confundem com a morte.

    abraço, marcell!

    ResponderExcluir
  4. Dor cotidiana essa ...vemos em tantos rostos, mas não com esta poesia. Belo Cristiano. Bjs

    ResponderExcluir
  5. por um amor amiúde..

    taí, gostei...

    ResponderExcluir
  6. Desencontros amorosos inspiram belos poemas como este.

    ResponderExcluir